fbpx

Parasha Miketz: proteção contra olho mau

O Talmud  nos conta que Rabi Yochanan, um grande erudito do século III, tinha um costume incomum. Ele às vezes se sentava fora do mikve [banho ritual] da cidade. Assim, ele disse: ‘as judias me verão e terão filhos tão lindos quanto eu’.

Os colegas de Rabi Yochanan perguntaram a ele: ‘Você não tem medo do Mau-olhado?’ Ao que o Sábio respondeu: “Sou descendente de Yossef”, respondeu ele, “e o Mau-Olhado não tinha poder sobre ele”.

Além da questão da beleza de Rabi Yochanan, esta história levanta algumas questões interessantes. O que é o mau-olhado? É apenas uma superstição primitiva? E por que Yossef, mais do que qualquer outra figura da Torah, estava imune a isso?

O Talmud explica que Yossef merecia proteção contra o Mau-Olhado pois “seu olho não queria se beneficiar daquilo que não lhe pertencia”. Apesar das tentativas da Sra. Potifar de seduzi-lo, Yossef permaneceu aos princípios morais e éticos da santa Torah, ou seja, a H’shem e a seu empregador [Potifar]. Verdadeiramente um ato de grande integridade moral – mas o que isso tem a ver com o mau-olhado?

Rav Kook explicou que o Olho do Mal é um exemplo de como uma alma pode afetar outra por meio de conexões invisíveis entre elas. Todos nós somos influenciados pelo nosso ambiente. 

Viver entre os refinados e justos tem um forte efeito positivo, enquanto viver entre os grosseiros e os corruptos tem um efeito negativo. O Olho Mau é simplesmente o impacto venenoso de sentimentos malignos de ciúme e inveja daqueles que nos rodeiam.

Uma pessoa que endureceu seu interior e não se permite ser desviado do caminho correto, apesar das pressões externas – essa pessoa construiu um ‘firewall [bloqueio]’ protegendo sua alma de influências externas. Portanto, Yossef foi o mais proeminentemente demonstrou essa força de caráter e recusa em se render ao instinto negativo. 

De dezessete anos, jovem e bonito, afastado da estrutura protetora de sua família e cultura, um escravo proposto por uma mulher poderosa e atraente, Yossef superou as adversidades e permaneceu fiel a seus ideais. Yossef determinou que não seria influenciado pelo ambiente, por mais persuasivo que fosse.

Por meio de sua postura heroica, se assim posso dizer, Yossef mereceu que o Mau-Olhado não tivesse poder sobre ele e seus descendentes.

Assim, aprendemos daqui a grande importância de criarmos um “firewall”, ou seja, um bloqueio interno contra más características e preservarmos nossas boas qualidades. 

Vimos o grande Yirat Shamaim de Yossef! Assim possamos nós também aumentarmos nosso temor aos Céus, por amor a H’shem e Sua sagrada Torah. Com isso, nossa vida será cheia de bênçãos e com a proteção de H’shem em todos os sentidos.

-Com base nos ensinos do Rav Kook, Chanan M., Ein Eyah vol. I, p. 102.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Um comentário

  1. ryumma

    Maravilhoso este artigo!

Comente este artigo

Pesquise por um curso

%d blogueiros gostam disto: